caminho_5.jpg

Nascente do Alviela - Caminho do Tejo

 

CAMINHOS DE FÁTIMA
& SANTIAGO

A escolha do caminho e a divisão em etapas é um dos passos mais importantes numa peregrinação. Se fores capaz de seguir os conselhos que se seguem, vais conseguir adaptar o Caminho às tuas capacidades.

ESCOLHA DO CAMINHO

Depois de tomada a decisão de ires peregrinar, vem a Escolha do Caminho. Sugerimos que comeces pelo Caminho Nascente, que liga Tomar a Fátima. Este pequeno, mas exigente, Caminho já foi a escola de muitos peregrinos. Recomendamos que o dividas em duas etapas, ficando a dormir em Fungalvaz. Este primeiro Caminho vai ensinar-te muitas coisas úteis, para futuros Caminhos maiores. É normal pensares que 29,5km é pouco Caminho, que consegues fazer mais. Como é a primeira vez, vai com calma. Vais passar por muitos locais,onde vai valer a pena parares e contemplares a paisagem, como o Aqueduto de Pegões, na fotografia abaixo. Depois de fazeres o Caminho Nascente, deixa que os outros Caminhos chamem por ti, conforme a tua disponibilidade.

A história do teu Caminho ainda não está escrita. Cada peregrino escolhe o seu próprio Caminho. Procura evitar transformar o teu numa corrida - “devagar se vai ao longe”. Abre o teu coração e está atento à natureza. Vais descobrir muitos Caminhos dentro do teu Caminho. 

adagios_base.JPG

(Rovisco II)

"Está atento, o Caminho vai ensinar-te"

11057767_10204579979879786_3032526244309

Aqueduto de Pegões - Caminho Nascente

 

ESCOLHA DAS ETAPAS

O mesmo Caminho, feito em diversas épocas do ano, sozinho ou acompanhado, em condições físicas diferentes, provoca novos sentimentos e sensações. Cada Caminho é um novo Caminho.

Na divisão das etapas, é fundamental conheceres as tuas capacidades. Para conheceres a tua condição, deves começar por caminhar sem mochila, depois  com mochila e, finalmente, com o peso que levarás na peregrinação, até chegares ao número de quilómetros que consideras ajustados à tua condição. Deves ter em conta que vais repetir, durante vários dias, essa distância. Para organização das etapas, deves ter em conta a localização dos albergues, 
bem como os albergues alternativos.

Como referência, deixamos alguns exemplos de etapas genéricas: adulto, em boa condição física, com mochila completa, 25km a 35km por dia; adulto, sem condição física, com mochila completa, 10km a 20km por dia; criança, com mochila completa, a partir dos 10 anos, com treino e supervisão de um adulto, 10km a 15km por dia. Estas etapas são referências genéricas, que podem variar muito ou não ser praticáveis conforme o clima, relevo, albergues, condição física e saúde de cada peregrino. Deves avaliar e preparar cuidadosamente cada etapa, tendo em conta os imprevistos. Por exemplo: um adulto, em boa condição física, organiza uma etapa de 25km, com a travessia de uma montanha. Ao chegar à montanha, encontra uma tempestade com trovoada. Fica impedido de avançar para a distância planeada de 25km, devido ao perigo da trovoada. Como proceder com a trovoada (+Info)

É normal sentires o apelo de peregrinares para longe de casa, porque, como diz o ditado, “Santos da casa não fazem milagres”… Com o tempo, vais aprendendo que a beleza está na forma de olhar. Basta veres como os estrangeiros olham fascinados para os nossos Caminhos.

anima_seta.gif
adagios_base.JPG

Minha avó começou a andar oito quilômetros por dia, quando fez sessenta anos. Hoje tem noventa e sete, saiu de manhã para caminhar, são horas de jantar e ainda não regressou.

(Ellen DeGeneres)

Sinalização dos Caminhos

SINALIZAÇÃO

 

A sinalização (setas) dos Caminhos de peregrinação ajudam-te a manteres-te no rumo certo. Existem dois tipos de sinalização: as setas que indicam direcções, normalmente colocadas nos cruzamentos e desvios, e as setas de conforto, que confirmam que estás no Caminho certo, tipicamente são colocadas nas rectas. A princípio, tens de estar muito atento na procura das setas. Após alguns quilómetros, começas a encontrar as setas de forma instintiva. Como se diz na gíria peregrina “começas a cheirar as setas”.

Sinalizar o Caminho pelos campos é a principal missão da Associação de Amigos dos Caminhos de Fátima. Este trabalho é feito por voluntários experientes, que traçam, sinalizam e criam alternativas mais seguras para outros peregrinos. Porque o fazem? É um acto de reciprocidade ajudar os outros, como os outros nos ajudaram. Abrir e manter um Caminho não é a mesma coisa que sair de casa com um spray a “sujar” paredes.

mascaras.jpg

Réguas de sinalização

O JOGO DAS SETAS

Para encontrares o Caminho, deves começar por saber onde se encontra a primeira seta. Segue a direção indicada e procura a próxima seta do Caminho que pretendes fazer.

Existem dois tipos de seta, as que indicam “direcção” e as de “conforto”. As setas que indicam “direcção”, como o nome indica, apontam o rumo a seguir; as setas de “conforto” asseguram que o peregrino se mantém no Caminho certo, que não existem mudanças de direcção.

Se deixaste de ver as setas no teu Caminho, deves respirar fundo e regressar ao ponto onde viste a última seta. Retoma a procura da próxima seta com atenção redobrada. Para evitares perder-te, não inventes Caminhos. 

jogo_das_setas.JPG
adagios_base.JPG

(Rovisco II)

"Como sei que estou no Caminho certo?
Olha para trás sem arrependimentos?"

+8.000 SETAS

A missão de sinalização dos Caminhos é realizada com o apoio dos donativos da comunidade peregrina. A opção de sinalizar o Caminho com tinta é um equilíbrio entre a forma e função: permite manter o custo baixo, a manutenção viável, ninguém rouba estas setas, tem uma aplicação versátil em várias superfícies e direcções. A tinta branca da base ajuda a aumentar a durabilidade e visibilidade das setas, criando um padrão de sinalização, facilmente reconhecível pelos peregrinos.

É fundamental que a sinalização seja simples, para manter o Caminho vivo. Um caminho com a sinalização interrompida é como uma veia cortada… Nada de bom pode acontecer.

Em geral, as populações respeitam as setas e alertam a Associação, quando detectam que os peregrinos andam perdidos, devido às setas apagadas. Normalmente, as setas são pintadas a cada seis anos.

Infelizmente, o Turismo de Portugal tentou mudar os Caminhos de Fátima. Mais informação detalhada no fundo desta página. (+info)

setas_f.jpg

Trabalhos de sinalização dos Caminhos

"Arqueiros" são os voluntários que pintam as setas dos Caminhos de Fátima e Santiago. (+info) 

adagios_base.JPG

(G.M. Trevelyan)

Tenho dois médicos, a perna esquerda
e a perna direita.

Florbela_luisa2.jpg

Filha e Mãe peregrinas

GUIAS DO CAMINHO

 

Os guias do Caminho são documentos em pdf, que contêm informação detalhada e resumida. Podem ser consultados no smartphone ou impressos. Para fazeres o download deves escolher o guia e preencher o formulário. Os guias não têm custos, mas convidamos todos os peregrinos a fazerem um donativo. A opção da edição digital permite manter as versões actualizadas, com menor impacto ambiental. Como o Caminho está vivo, os guias são periodicamente actualizados.

adagios_base.JPG

(Proverbio Celta)

"Que os teus pés te levem,
onde o coração quiser..."

Diogo_carmo_telemovel.jpg
telemovel.jpeg

O CAMINHO NO SMARTPHONE

Geralmente, não precisas de smartphones para fazeres o Caminho, basta seguires as setas, mas… até os peregrinos mais experimentados acabam por sair do Caminho, sem querer. Os peregrinos perdem-se porque a conversa vai animada, as setas estão tapadas (pelo mato, carros, publicidade, clima ou pelas marcações do Turismo de Portugal). Para evitares sobressaltos peregrinos, o smartphone pode funcionar como retaguarda informativa para ajudar-te a regressares ao Caminho. Deves preparar antecipadamente as tuas etapas, como se o smartphone não existisse. O smartphone deve ser o plano “B”. A sua utilização, para encontrares o caminho, deve ser pontual. Não deves peregrinar com base no smartphone, pois rapidamente vais ficar sem bateria. Quando ficas sem bateria, ficas sem a orientação do aparelho e não podes fazer ou receber chamadas. Recomendamos que tenhas um “Powerbank” como fonte de energia alternativa.

Smartphone

 

Powerbank

 

Tocar no quadrado para ampliar e ver em grande formato, como explicado no vídeo acima apresentado.

anima_seta.gif
google_maps_caminhos.jpg
 
google_maps_base.jpg

TRACKS DE GPS

Para peregrinos mais avançados na navegação com gps, disponibilizamos para download os tracks dos Caminhos. Para os peregrinos que se estão a iniciar na navegação digital, alertamos que, ao entrarem em casas ou locais sem vista directa para o céu, os gps perdem o sinal, podendo acrescentar quilómetros à distância total percorrida, devido ao posicionamento por aproximação.

 


 

Grupo_Fátima_1.jpg

O SANTUÁRIO DE FÁTIMA

 

A devoção dos fiéis a Nossa Senhora do Rosário de Fátima começou há pouco mais de um século (1917), após terem ocorrido as aparições de Nossa Senhora a um grupo de crianças (Pastorinhos). A grande afluência de peregrinos à Cova da Iria, de devotos de Nossa Senhora, deu origem a este Santuário.

No Santuário de Nossa Senhora de Fátima, vais encontrar um espaço amplo (Recinto de Oração), rodeado de edifícios brancos, de culto e outras finalidades. Com vários acessos, o Santuário está preparado para receber um grande número de fiéis. O Recinto de Oração acolhe a Capelinha das Aparições, que é o coração do Santuário. Um vasto alpendre abriga a Capelinha das Aparições. Com uma implantação aparentemente desalinhada relativamente ao Santuário, o alpendre e a Capelinha estão alinhados com o ponto onde nasce a lua, no dia 13 de Maio. (linha azul celeste na fotografia abaixo)

lua.png

À frente da humilde Ermida (a Capelinha), está Nossa Senhora de Fátima, num pedestal à prova de bala. Segundo os relatos, neste local, Nossa Senhora de Fátima apareceu aos Pastorinhos, em cima de uma Azinheira. (+info). No lado direito da base do pedestal, existe uma pequena ranhura, onde os peregrinos podem deixar mensagens para Nossa Senhora. A mensagem deve ser entregue a um dos responsáveis do altar. Até Agosto de 2019, tinham sido enviadas 7.3 milhões de Mensagens. (+info)

A “Capelinha das Aparições” não encerra. Pode acolher peregrinos a qualquer hora, com qualquer clima, a pé e em cadeiras de rodas. Não é permitida a entrada de animais, mesmo como acompanhantes de peregrinos (excepto cães guia de cegos). Os ciclistas devem apear-se da bicicleta ao entrarem no Recinto de Oração.

Este monumental Santuário Mariano é constituído pelos seguintes locais de culto: Capelinha das Aparições (original 1919), Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima (1928), Basílica da Santíssima Trindade (2007), Capela do Santíssimo Sacramento (2007), Capelas da Reconciliação (2007), Capela da Morte de Jesus (2007), Capela da Ressurreição de Jesus (2007) e o Recinto de Oração. (+info). Estes locais estão abertos à participação em missas, orações e confissões (em várias línguas). Recomendamos a participação na Oração do Terço do Rosário que decorre diariamente às 21.30h na Capelinha das Aparições, seguida da procissão de velas pelo Recinto de Oração. Consultar horários e informações.

Por ser um Santuário Mariano, existe especial devoção à oração do Terço do Rosário. A mensagem de Fátima (+info) propõe aos fiéis que através da oração (especialmente o Rosário), o sacríficio/oferta e a penitência possam levar à conversão da Humanidade e à Paz. 

No Recinto de Oração, existe um longo passadiço branco, que desce em direcção à Capelinha das Aparições. Esta é a via utilizada pelos peregrinos que querem cumprir as suas promessas, de joelhos ou bruços. Não deves perturbar estes peregrinos. Não é bem visto fazeres fotografias ou selfies neste local.

Fátima_vista.jpg

O Santuário de Fátima situa-se no centro de Portugal, no distrito de Santarém, Município de Ourém, Freguesia de Fátima, na Cova da Iria. O Santuário de Fátima recebeu 9.4 milhões de visitas, no ano de 2017, de quase todo o mundo.

Por trás da sobriedade monumental e estética, que caracteriza este Santuário, está um grande cuidado na arquitectura, escultura, pintura, cânticos, instrumentos musicais, acústica, iluminação e curadoria das exposições. Recomendamos-te uma visita prolongada e minuciosa a todo o Santuário, para o conheceres em profundidade. Se tiveres disponibilidade, percorre a Via Sacra até aos”Valinhos”, a partir da “Rotunda dos Pastorinhos”.

Podes carimbar a tua credencial em 3 locais: Reitoria e Gabinete de Informações (até às18:00). Na Casa S. Bento de Labre, depende da boa vontade dos seguranças, mas é possível carimbar depois das 18:00.

Ao alcançares o Santuário em peregrinação, recomendamos-te que o faças de espírito aberto e sem julgamentos. Vais encontrar múltiplas manifestações de fé: peregrinos, devotos, turistas, grupos, curiosos, visitantes de outros credos… Existe uma atracção para a Capelinha das Aparições. Quando os responsáveis da segurança se distraem, os cães e os gatos também gostam de vir deitar-se, aos pés de Nossa Senhora, durante a noite.

Nos dias próximos das celebrações das Aparições de Nossa Senhora (13 de Maio, 13 de Junho, 13 de Julho, 19 de Agosto, 13 de Setembro, 13 de Outubro) abre, por trás da Capelinha das Aparições, um hospital de peregrinos, onde tudo está preparado para cuidar de teus pés e outros males. Recomendamos-te que, com ou sem necessidade de tratamentos de saúde, visites este local. É um exemplo extraordinário de como a fé e a dedicação dos profissionais de Saúde, acompanhada pela bondade dos Servitas, fazem pequenos milagres na corpo e na alma dos peregrinos.

A opção de chegares a Fátima nas datas próximas dos dias:13 de Maio, 13 de Junho, 13 de Julho, 19 de Agosto, 13 de Setembro e 13 de Outubro deve ser uma opção consciente. Estes são dias muito especiais, quanto às celebrações. Para os peregrinos que chegam a Fátima pelos campos, encontrar celebrações com milhares de peregrinos pode ser uma sensação avassaladora. Estas épocas tornam a vida dos peregrinos complicada, em termos de acolhimento, refeições e tranquilidade.

O Santuário acolhe peregrinos na casa S. Bento de Labre. Ainda existe algum trabalho a fazer, por parte dos coordenadores do Santuário, quanto ao acolhimento diferenciado entre os peregrinos estrangeiros e os peregrinos portugueses.

Para mais informações detalhadas, recomendamos-te a visita ao site do Santuário de Fátima: www.fatima.pt

Notas importantes:
- A estação de comboios de Fátima (Chão de Maçãs) fica a 25km do Santuário.
- A bilheteira dos autocarros pode estar fechada, ao fim do dia, apesar de ainda passarem autocarros. Recomendamos-te a compra antecipada de bilhetes.
- As bicicletas podem viajar no porão dos autocarros, desde que desmontadas e envolvidas em plástico para não sujarem as outras malas. A película plástica de cozinha pode ser comprada no supermercado Pingo Doce, ao lado da estação de autocarros.

Acreditamos que pode ser muito enriquecedor escutar outras perspectivas sobre o mesmo assunto, mesmo quando questionam os fundamentos onde assentam a totalidade deste Santuario: "Programa da Cadena SER, radio Espanhola (Cualquier tiempo pasado fue anterior) Nieves Concostrina."

GOOGLE MAPS

jose_santiago_full_edited_edited.jpg

O SANTUÁRIO DE SANTIAGO DE COMPOSTELA

 

De acordo com a lenda, o corpo do Apóstolo Tiago Maior foi trazido por Atanásio e Teodoro para a Península Ibérica, desde Jerusalém, por mar, numa barca de pedra, que subiu pelo rio Ulla até à localidade Padron, onde entraram no rio Sar, prosseguindo até Iria Flavia, continuando o traslado por terra, acabando o corpo do Apóstolo por ser sepultado a 20km a Nordeste de Padron, num campo, já no interior da Galiza. No ano de 814 d.c., a tumba foi redescoberta pelo ermita Pelagius, que relatou ter visto umas luzes estranhas, no céu nocturno, que sinalizavam o local, que ficou conhecido como o “Campus Stellae”(Campo das estrelas), Compostela.

O Bispo Teodomiro de Iria reconheceu o milagre e deu-o a conhecer ao rei Afonso II das Astúrias e Galiza, que avançou com as obras da primeira capela no local. Posteriormente, foi construída uma Igreja. No ano de 899 d.c., o rei Afonso III de Leon ordenou a construção de uma nova Igreja, de estilo pré-românico, que fomentou a vinda de mais peregrinos, acabando por tornar este santuário num dos principais locais de peregrinação daquela época.

Em 997 d.c. a Igreja foi reduzida a cinzas, pelo Califado de Córdoba. Após a retoma da Península Ibérica, pelos Cristãos, no ano de 1075, foi iniciada a construção do que viriam a ser as fundações da actual Catedral. Começou em estilo românico e foi crescendo e evoluindo para outros estilos, conforme as épocas, até chegar à actualidade (2020). Este monumental complexo religioso atravessa actualmente uma grande obra de manutenção e restauro integral.

Na Idade Média, os peregrinos que alcançavam Santiago de Compostela, obtinham a "Compostela", Indulgência que reduzia para metade o tempo de permanência no purgatório. Nos anos de Jubileu, quando o dia 25 de Julho coincide com um domingo, as Indulgências atribuídas aos peregrinos são plenas, isto é, "evitam" a passagem pelo purgatório. Em anos de Jubileu (Xacobeu) a Porta Santa é aberta aos peregrinos.

O Apóstolo Tiago Maior, passou a Apóstolo Santiago, pela aglutinação de “San”(Santo em Castelhano) e o nome Tiago. Também é conhecido por outros nomes: Santiago, filho do Trovão (Boanerge); Tiago, filho de Zebedeu; Santiago Apóstolo, o Maior; Iacobus; Sanctus Iacopus; Santiago Mata Mouros; o Pescador; Santi Yaguo; Santi Yagüe e Santiaguiño.

Para aproveitares ao máximo a chegada a Santiago, procura comer e ir à casa de banho, na periferia da cidade. Concluir a peregrinação com fome ou com vontade de ir à casa banho, junto à Catedral, vai afastar-te de uma experiência tranquila à chegada. Os preços são muito altos naquela zona.

Ao chegares à cidade de Santiago, as setas vão encaminhar-te até à Plaza del Obradoiro. No centro da praça, existe gravada no pavimento uma concha. É naquele ponto que terminam os Caminhos: Francês, Português, Inglês, Primitivo e do Norte; e começam os Caminhos para Finisterra e Muxia… À tua frente, vais encontrar a Catedral de Santiago. Recomendamos-te que procures um local onde possas estar confortável e tranquilo em contemplação. Se a tua chegada coincidir com o final de um dia de Verão, com céu limpo, vais assistir à transformação da fachada, pela luz dourada do pôr-do-sol (Obra de Ouro).

Ao chegares a Santiago, com a tua credencial, correctamente carimbada ( 2 carimbos por dia e um mínimo de 100km percorridos), podes solicitar a tua "Compostela". Este documento atesta a tua peregrinação. Vai cedo para a Oficina do Peregrino, para obteres a "Compostela". Deves tirar uma senha com o número. E através do código QR na senha, podes saber o tempo aproximado para seres atendido.

Podes usufruir de um pequeno almoço de Reis, grátis para peregrinos. O Parador dos Reis Católicos (Plaza del Obradoiro) oferece o pequeno almoço aos 10 primeiros peregrinos, que apresentem "Compostela".

Guarda algum tempo para visitares o complexo monumental da Catedral de Santiago de Compostela. Deves levar a tua credencial e a respectiva "Compostela", para poderes comprar as entradas a preço de peregrino.

Começa por assistir à Missa do Peregrino, com o turíbulo (Botafumeiro) que, na época medieval, servia para atenuar os maus odores dos peregrinos que assistiam à missa. Após esta celebração religiosa, começa por visitar os telhados da Catedral, com explicação detalhada sobre o sinos e a "carraca", o local onde se queimavam as roupas dos peregrinos, a organização do Santuário e os vários estágios da sua construção. Voltando a entrar na catedral, visita o “Pórtico da Glória”, onde muitas gerações de peregrinos deixaram gravado, numa coluna de pedra, o formato da sua mão, e, finalmente, desce ao túmulo do Apóstolo Santiago. Aos saíres podes abraçar à imagem do Santo. Tens ainda,17 capelas

Santiago_catedral_2_edited.jpg

para visitar dentro da Catedral. Se quiseres fazer uma viagem no tempo, dentro da Catedral, recomendamos-te uma visita à Igreja de Santa Maria da Corticela.

Para aprofundares ainda mais o teu conhecimento sobre este complexo religioso de Santiago, visita o Museu e Palácio Gelmirez. Passarás a ver a Catedral de outra forma.

Existe uma grande oferta de locais para acolher peregrinos, mas existem dois locais emblemáticos: o Seminário Maior, ao lado da Catedral, que actualmente funciona como Hotel, mas dispõe de algumas células individuais, onde os peregrinos podem ser acolhidos a um preço razoável, e o Seminário Menor, mais afastado da Catedral, com grande capacidade de acolhimento para peregrinos, a preços imbatíveis. Apesar das grandes dimensões, este edifício, frio e despojado, ganha um carisma especial por ser o ponto de encontro de muitos peregrinos.

Gastronomicamente, a Galiza e Santiago são uma viagem pelos frutos do mar, lacticínios e a comida tradicional: pimentos Padron, queijo Tetilla, tortilha, empanadas Galegas, vinhos Ribeiro e Alvarinho e a tarte Santiago. Dentro da peregrinação gastronómica em Santiago, existe uma enumerável oferta de locais para comer. Destacamos dois locais: a Taberna “O Gato Negro”, local esconso, pouco iluminado, sem ventilação, sempre cheio de gente. A comida, petiscos e a bebida tradicionais da Galiza, valem todo o esforço e apertos. Recomendamos que chegues à taberna pelas 12:00, que ainda não é hora de almoço em Espanha, para encontrares lugar sentado. O segundo local é a "Casa Manolo", onde acaba por ir a grande maioria dos peregrinos, tornando-se assim um local de reencontro.

A cidade de Santiago de Compostela é uma cidade normalmente cheia de turistas, peregrinos, estudantes e residentes. Assim sendo, pode ser uma experiência complicada para o peregrino, a sua transição para a urbanidade.


Para mais informações detalhadas, recomendamos a visita ao site do Santuário de Santiago de Compostela: http://catedraldesantiago.es

Acreditamos que pode ser muito enriquecedor escutar outras perspectivas sobre o mesmo assunto, mesmo quando questionam os fundamentos onde assentam a totalidade deste Santuario: "Programa da Cadena SER, radio Espanhola (Cualquier tiempo pasado fue anterior) Nieves Concostrina."

GOOGLE MAPS

_padre_rui_caminho2.jpg

CAMINHOS

&

TURISTAS

carmelita4.jpg
 
turigrinos.JPG

“Até andares perdido, neste labirinto de setas, dificilmente vais entender os textos abaixo relatados. O tempo e os peregrinos enganados passarão a palavra acerca destas armadilhas.”

Primeiro episódio do programa da RTP, Sexta às 9, sobre os Caminhos de Fátima e os problemas criados à comunidade peregrina por estas iniciativas duvidosas. 

Segundo episódio do programa da RTP, Sexta às 9, sobre os Caminhos de Fátima.
Os responsáveis politicos do projecto são confrontados com os factos.

A partir de 2018, o Turismo de Portugal e os seus parceiros começaram a apagar as setas e a desviar os Caminhos assinalados há mais de duas décadas, destruindo este património da comunidade e criando confusão aos peregrinos.

Ao sabor da disponibilidade dos fundos da UE e dos interesses políticos locais, o Turismo de Portugal decidiu desviar Caminhos e criar a confusão entre os peregrinos, quando poderia ter usado esses recursos para consolidar e beneficiar o que estava feito. A Associação de Amigos dos Caminhos de Fátima tentou, por todos os meios, colaborar com o Turismo de Portugal, sem qualquer resultado positivo.

ROTA CARMELITA

 

Percurso criado para “Turistas” andarem às voltas pela região, em caminhos perigosos (de que são exemplos os trechos desde a saída de Coimbra à chegada a Condeixa). Esta rota, que começa em Coimbra e termina em Fátima, entra e sai dos Caminhos de Fátima e Santiago 12 vezes, transformando num verdadeiro labirinto (+info) o percurso, ao qual acrescentou 15,2km.

O nome “Rota Carmelita”, de aparência santificada, é uma soma de invenções criadas para apelar aos “Turigrinos”. As Irmãs Carmelitas de Coimbra vivem em Clausura, nunca peregrinaram para Fátima, por esta rota para turistas. O tempo denunciará a incúria do Turismo de Portugal, que gastou milhões de Euros para destruir o património criado e utilizado há mais de duas décadas pela comunidade peregrina, numa missão executada, sem custos públicos, por grupos de voluntários. Acima, ficam dois episódios do programa "Sexta às 9", sobre a Rota Carmelita.

CAMINHO DO CENTENÁRIO

 

Percurso muito perigoso, por estrada nacional, que sai de Vila Nova de Gaia, rumo a Fátima. Depois da infelicidade que são os peregrinos mortos em acidentes, a quem pode interessar sinalizar um caminho por estas vias inseguras, ruidosas e poluídas? Quem se responsabilizará pelos peregrinos enviados para estradas nacionais? Como pode o Turismo de Portugal e a Associação dos Caminhos de Fátima* quererem vender esta imagem atrasada e insegura de Portugal? Aos peregrinos que vêm de Norte (Santiago) pelos campos, pedimos atenção reforçada quando chegam a Vila Nova de Gaia, para evitarem entrar neste percurso.

*Associação dos Caminhos de Fátima é a associação criada em 2016 por municípios para o projecto do Caminho do Centenário. Não confundir com a Associação de Amigos dos Caminhos de Fátima.

LOGOTIPOS?

A forma como um povo trata a sua cultura diz mais do povo que da cultura.
O logótipo dos Caminhos de Fátima (abaixo à esquerda) faz parte da cultura peregrina há 22 anos (1998). Guiou milhares de peregrinos de todo o mundo rumo a Fátima.

logo_mudança2.jpg

Este logótipo tornou-se património cultural da comunidade peregrina. Este grafismo foi criado pelo Arquitecto Ribeiro Teles e Helena Vaz da Silva, do CNC, no âmbito do magistral projecto do Caminho do Tejo (Lisboa-Fátima). Sem pretensões mercantilistas, esta imagem reflecte um Caminho aberto a todos, independentemente de crenças religiosas.

Em 2017, o Turismo de Portugal e o CNC começaram a apagar nos Caminhos o logótipo criado em 1998 e substituíram-no por um novo. Segundos estas entidades, “é um produto mais apelativo”. O novo logótipo perdeu as características que identificavam os Caminhos de Fátima, como um Caminho aberto a todos. Ganhou um crucifixo, que parece estar em cima de uma campa de cemitério. Fizeram um trocadilho gráfico ao fundirem o “I” e o “M”, que faz os estrangeiros perguntar quem é a mãe(ma) gorda(fat) e confunde os peregrinos mais velhos, não habituados a estes desvarios gráficos da moda actual.

O QUE PODE FAZER A ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DOS CAMINHOS DE FÁTIMA?

Continuar a sua missão, sinalizando os Caminhos e ajudando os peregrinos, porque acredita que estes continuarão a fazer os Caminhos de Fátima e Santiago, como o fazem há séculos, sem precisarem do Turismo de Portugal. Apesar de tudo, somos totalmente contra a destruição da sinalização do Turismo de Portugal. Acreditamos que informar os peregrinos é a melhor forma de esclarecer quem quer fazer o Caminho.

À comunidade peregrina, pedimos que façam o Caminho e denunciem a confusão criada por estas entidades. Sugerimos que enviem um e-mail dando conta da vossa experiência para o Turismo de Portugal info@turismodeportugal.pt e para o Presidente da República belem@presidencia.pt com cópia para info@caminho.com.pt.

mario_recicla.jpg

ATENÇÃO